Sábado, 28 de Maio de 2011

...

Tenho uma coisa para vos dizer: não sou boa pessoa. Nunca fui, na verdade.Para ser sincera, também não tenho pena nenhuma disso. Aliás, pena é coisa que eu não tenho. Pena de quem faz o discurso da vítima, não tenho, não. De quem diz estar sozinho, mas que se isola. De quem diz estar muito ocupado, mas mente-nos e nem sequer sabe disfarçar. Não, não tenho pena de quem faz escolhas erradas, principalmente quando a escolha certa era óbvia. Não tenho pena dos pobres coitados que são usados por uns e outros quando bem lhes convém. Puseram-se a jeito, meus caros.

Não sou boa pessoa, não. Se me chamarem cruel implica não aceitar desculpas e caras tristes, então chamem-me isso tudo. Há certas idades onde alguns erros já não são admitidos, onde a dependência devia ser um conceito ultrapassado e a independência a imperadora.

 

Emoções todos temos. Fragilidades também. Imbecilidade nem sempre.