Terça-feira, 5 de Outubro de 2010

E porque hoje ...

Hoje apetece-me ligar-te. Ouvir-te a voz, sentir-te os medos, falar-te baixinho até já não aguentares de sono e finalmente adormeceres.

Hoje quero que me digas que em breve me ocuparás o vazio da cama de casal, mesmo que mintas quanto a esse “breve”. Quero-te, mesmo sabendo que mentes, mas tendo a certeza que a vontade é verdadeira e que, por ti, já não teria os pés frios nem escolheria sozinha o canal de televisão a ver esta noite.

Não vou dizer que te vou amar para sempre, porque sempre é muito tempo e quem muito promete, mais falha… Prometo-te só o agora, onde posso gostar de ti sem pressas nem promessas para quebrar; onde posso gostar de ti sem justificações, sem sentimentos fragilizados; com piroseiras típicas do meu estado de espírito.

Hoje quero apenas ter a certeza que és meu.

Hoje, sabes… apeteces-me.

Será pedir de mais?